Confira quando fazer e qual sua importância

A recarga de extintores é algo que precisa de atenção em toda empresa, industria, condomínio e residência. Por isso, descubra como fazer a manutenção desse equipamento da melhor forma possível.

Quando devo fazer a recarga dos extintores de incêndio?

Normalmente, os extintores de água ou pó químico devem ser recarregados uma vez ao ano. Já os equipamentos de gás carbônico precisam de recarga a cada seis meses (caso a pesagem dele não esteja de acordo com o mínimo exigido pela NBR 12962 Itém 5.2, que deve ser feita por um técnico de uma empresa credenciada). Estas estimativas, no entanto, só são válidas se os extintores estiverem em excelente estado.

Isso significa que, se houver descarga, ou se os anéis da válvula forem danificados nesse meio tempo, é preciso fazer a manutenção antes da média estipulada. Além disso, a cada cinco anos o cilindro deve receber um ensaio hidrostático, ou em menor intervalo, caso o extintor sofra algum dano sério.

Por que é importante zelar pelos extintores?

Em primeiro lugar, esse equipamento é mais do que necessário para garantir a segurança dos visitantes, funcionários e moradores. Pare para pensar: em um prédio, quantas pessoas não criam situações de risco para incêndio diariamente? Como se isso não bastasse, ele é obrigatório. Ou seja, o não cumprimento da regulamentação pode resultar em multas salgadas para a empresa, industria ou condomínio. Portanto, siga o calendário de recargas à risca.

Como é feita a recarga?

Existem dois tipos de orçamento para recarga e troca de extintores: o aberto e a fechado. No aberto, todos os serviços são cobrados separadamente, ou seja, a recarga, a pintura e uma eventual troca de peças. Já no orçamento fechado, vários serviços são definidos em um preço único, ajudando o responsável, técnico de segurança, bombeiro civil ou síndico a se programar melhor financeiramente. Porém, nos dois casos, é feita uma cobrança à parte se houver a condenação do equipamento, gerando a necessidade de troca do equipamento.

Você deve estar se perguntando, então, qual é a melhor forma de efetuar a manutenção dos extintores. A resposta é: depende. Não há como saber como o extintor está sem abri-lo, por isso, é muito difícil definir qual orçamento pedir. Se você tem uma margem confortável para atuar, pode ser mais interessante considerar o orçamento aberto. Porém, se precisar trabalhar com uma margem mais segura, prefira o fechado. 

Que cuidados tomar com a manutenção do extintores?

É importante lembrar que as empresas, industrias e prédios não podem ficar um dia sequer sem extintores, por motivos óbvios. Por isso, veja se a empresa oferece substituição nos dias de manutenção. Certifique-se também de que a empresa escolhida possui certificação do Inmetro para realizar o serviço.

Para evitar fraudes, cada Extintor tem um número de identificação, o chassi. Com ele você pode confirmar se o mesmo Extintor que saiu é o que está voltando da manutenção. Esta é uma das funções que o Inspefire oferece para os seus usuários.

Quando os extintores vierem da manutenção, verifique a cor do anel de plástico, para ter certeza de que foi trocado (cada ano tem uma cor diferente: conforme a imagem abaixo, e se traz o nome da empresa responsável. Note também se há o Selo de Conformidade do Inmetro, um adesivo holográfico de fácil identificação, e o rótulo da empresa, com as informações de validade da manutenção.

Tabela de cores dos Anéis e Lacres de recarga de extintores.